Construindo o sindicato de todos nós
Sindicato dos Metalúrgicos de Carlos Barbosa

Artigo

Os desafios estão apenas começando

Por Todon Andrade, presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Carlos Barbosa

 

O ano de 2016 se encerra com um balanço bastante negativo para a classe trabalhadora brasileira. Um golpe parlamentar retirou do poder uma presidenta eleita legitimamente e colocou no lugar um fiel representante de setores descomprometidos com os interesses do povo. 

 

Apontado como possível beneficiário de caixa dois e com diversos ministros indiciados ou envolvidos com os mais variados tipos de crime de corrupção, Temer destruiu, em poucos meses, conquistas que os brasileiros levaram décadas para construir. Exemplos disso são a aprovação da PEC 55, que ao congelar gastos por 20 anos compromete os investimentos em áreas estratégicas e essenciais para o país - como saúde e educação; a proposta da reforma da Previdência e do novo cálculo da aposentadoria que mexe com os direitos de todos os trabalhadores, a redução de 10% da multa paga pela empresa na demissão sem justa causa e cortes em políticas públicas sociais como o Minha Casa, Minha Vida e Bolsa Família. No Rio Grande do Sul, as ações de Sartori seguem no mesmo sentido da retirada de direitos e desmonte do estado, com graves consequências para a população.

 

Por tudo isso, sabemos que 2017 não será fácil. O processo de precarização das relações de trabalho, de corte de direitos, de redução do papel do Estado, a falta de investimentos em setores que ajudam a desenvolver a economia, o desemprego crescente são elementos que devem acender a luz vermelha do nosso povo. 

 

Nós, trabalhadores e trabalhadoras, precisamos atentar para o fato de que todas estas questões dizem respeito, sim, a cada um de nós e ao futuro de nossos filhos. Portanto, a palavra de ordem para o próximo ano é união para o enfrentamento desta crise sem que haja perda de direitos do nosso povo. Este é o desafio a que todos somos chamados. 

+ Artigos