CESTA BÁSICA AUMENTA O DOBRO  DA INFLAÇÃO EM CAXIAS DO SUL

CESTA BÁSICA AUMENTA O DOBRO DA INFLAÇÃO EM CAXIAS DO SUL

O custo da cesta básica em Caxias do Sul no mês de outubro passou para R$ 956,13, alta de 1,39% em relação ao mês anterior. Os cinco produtos que mais puxaram a alta foram o óleo de soja, a maionese, a massa com ovos, a batata inglesa e o salsichão. O azeite já estava listado entre os que mais tiveram aumento de preço no mês anterior.

No último mês de referência, o reajuste médio foi de 12% neste item básico. Os dados foram levantados pelo Instituto de Pesquisas Econômicas e Sociais (Ipes) da Universidade de Caxias do Sul e divulgados na última semana.


O preço dos alimentos sobe mais do que a própria inflação geral da cidade. O Índice de Preços ao Consumidor de Caxias do Sul teve aumento de 0,56% no mês de outubro. No acumulado do ano, a inflação de Caxias alcançou 4,90%.

Isso significa que a cesta básica aumentou, no mesmo período, praticamente o dobro do que a inflação, já que acumula alta de 9,78% em um ano. Se o recorte for só dos produtos alimentares, pois a cesta também inclui itens básicos de higiene, o aumento em 12 meses é ainda maior: chega a 12,81%.


De acordo com um levantamento do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (DIEESE), comer o básico tem ficado cada dia mais caro. Os preços do conjunto de alimentos básicos aumentaram em pelo menos 16 capitais do Brasil em novembro. Além do arroz, óleo de soja e da carne, que já vinham com preços nas alturas, o custo do tomate e da batata também aumentou de forma expressiva na maioria das cidades.


Em novembro, o preço médio da carne bovina de primeira registrou alta em todas as capitais: variou de 1,64%, em João Pessoa, a 18,41%, em Brasília. A baixa disponibilidade de animais para abate no campo, devido ao período de entressafra, e as exportações aquecidas ocasionaram redução da oferta e elevaram os preços do produto.


A batata, pesquisada no Centro-Sul, teve o valor aumentado em todas as cidades. As altas oscilaram entre 13,99%, em Curitiba, e 68,32%, em Vitória. Houve quebra de produção em várias regiões do Sul, por causa do baixo volume de chuva nas fases de plantio e desenvolvimento, e a oferta foi reduzida.


O preço médio do arroz agulhinha registrou alta em 16 capitais, com variações entre 2,12%, em Porto Alegre, e 15,24%, em Brasília. Em Curitiba, o preço não variou. A baixa oferta de arroz manteve o preço em trajetória de alta nas capitais.


Entre outubro e novembro, o valor do tomate subiu em 15 cidades, com oscilações que foram de 1,91%, em Natal, a 61,05%, em Brasília. Houve quedas no preço do fruto em Recife (-3,08%) e Aracaju (-2,59%). A maturação antecipada do tomate, por causa do calor nos meses anteriores, reduziu a oferta e, mesmo com a demanda enfraquecida pelos altos preços e pela pandemia, houve aumento das cotações no varejo.